Calorias e Carboidratos

Nutricionista com foco em Emagrecimento e Saúde da Mulher

Calorias e Carboidratos

maio 30, 2018 Calorias Carboidratos Dieta de Restrição Calórica Dieta Low Carb Dieta Páleo Dieta Paleolítica Glicogênio Glicose Gorduras Proteínas 0

Caloria (Kcal) é uma unidade de medida de energia que não pertence ao Sistema Internacional de Unidades. Quando usamos caloria para nos referirmos ao valor energético dos alimentos, na verdade queremos dizer a quantidade de energia necessária para elevar a temperatura de 1 quilograma (equivalente a 1 litro) de água de 14,5 °C para 15,5 °C [1] Ou seja, quando nos referimos às calorias de um alimento, estamos falando da quantidade de energia que este alimento é capaz de nos fornecer, e todos os alimentos a possuem , os carboidratos e proteínas por exemplo possuem 4 kcal /g, o álcool  7 kcal /g e as gordura 9 kcal /g.
De posse dessa informação, o que você acha que engorda mais? 300 kcal de de um pão ou 300 kcal de bacon?
Lembre-se, ambos possuem a mesma quantidade de calorias, a priori nosso organismo deveria responder da mesma forma para os dois alimentos já que fornecem as mesmas quantidades de energia, porém o efeito metabólico e hormonal desses alimentos é muito diferente e nosso organismo responde de forma diversa para cada um deles. 
Nosso corpo é muito mais complexo do que pensamos.

Por muitos anos acreditamos que para engordar bastava comer além das nossas necessidades energéticas, era um conta matemática onde para manter o peso, calorias ingeridas deveriam ser igual a energia gasta.
Felizmente essa idéia tem sido questionada, e o que se descobriu é que focar exclusivamente em calorias é um grande erro, tanto do ponto de vista fisiológico quanto do ponto de vista psicológico, uma vez que cria sentimentos de culpa e dificuldade para perder peso.

Carboidratos
Quase tudo o que comemos pode ser transformado em glicose pelo nosso corpo e usado como fonte de energia para manter o funcionamento de nossas células e órgãos. No entanto, os carboidratos são os nutrientes que mais afetam o açúcar no sangue: com exceção das fibras, quase 100% dos carboidratos são convertidos em glicose em 2 horas!
Uma vez que o carboidrato que comemos é digerido e convertido em glicose, o pâncreas é estimulado a produzir insulina, um hormônio responsável por remover glicose da corrente sanguínea  e colocar essa glicose dentro das células para ser usado como energia.
A glicose é armazenada nas células principalmente pelo fígado e pelos músculos na forma de glicogênio, e esse glicogênio fornece energia ao corpo por um período de 12 a 24 horas. No entanto, quando as quantidades de glicose são altas e excedem a capacidade de armazenamento de glicogênio nas células,  a glicose extra é convertida em triglicerídeos no fígado e armazenada em células de gordura para uso futuro. 
Concluindo, se fornecermos mais glicose ao nosso corpo do que ele pode usar, o resultado é que aumentaremos cada vez mais essa reserva de gordura em nossas células adiposas, e enquanto houver quantidades excessivas de glicose no nosso corpo e altos níveis de insulina, nosso organismo não usará gordura armazenada como energia.
Gorduras 
Vários estudos clínicos importantes demonstraram que uma dieta com mais gordura e menos carboidratos é considerada mais eficaz para perda de peso e redução do risco cardiovascular do que uma dieta com baixo teor de gordura. [2,3,4] Além de transportar vitaminas, proteger órgãos e fornecer isolamento térmico do corpo, gorduras e carboidratos são as principais fontes de energia em nosso corpo. No entanto, ao contrário dos carboidratos, as gorduras não estimulam a produção de insulina e desempenham um papel importante na produção da sensação de saciedade.
 Proteínas
As proteínas, por outro lado, são utilizadas na construção e reparação de tecidos corporais, e estão presentes em hormônios e enzimas que atuam na regulação de processos metabólicos e fisiológicos. Eles podem ser usados ​​para produção de energia, mas o corpo não os utiliza como primeira opção, pois o processo de transformar proteínas em energia é muito caro para o corpo.
A lei da sobrevivência
Nosso corpo é uma máquina perfeita com um único objetivo; a de sobreviver. Nossos antepassados não tinham alimentos disponíveis no armário da cozinha ou na geladeira como temos hoje. Por mais de 99% do tempo da nossa existência fomos caçadores e coletores, e é  por isso que ainda possuimos mecanismos biológicos de defesa contra perda de peso e somos tão eficiente para armazenar energia. 
É por isso que quando fazemos uma dieta de emagrecimento onde reduzimos muito a quantidade de energia (calorias), nosso corpo se mobiliza para ter novamente o consumo habitual. Diferentes hormônios e enzimas começam a agir para combater a redução de peso, o corpo reduz a atividade metabólica e, consequentemente, a energia armazenada não é utilizada. O resultado de tudo isso? O corpo desacelera e não perdemos peso.

O problema é a quantidade excessiva de carboidratos na nossa dieta
Numa dieta onde se evita açucares e farináceos, podemos dizer que “enganamos” nosso corpo porque o consumo de carboidratos diminui. Como resultado, também diminuímos a ação da insulina, o hormônio que, em altas doses, evita que o corpo queime o excesso de gordura e perca peso. No entanto, ao contrário da dieta hipocalórica, não sentimos fome porque as fibras vegetais e as boas gordurosas nos fazem sentir saciados.
Não há dúvida de que a obesidade está relacionada ao diabetes, hipertensão arterial e doença cardiovascular e cancêr. Sabemos também que estas doenças modernas são consequência da nossa dieta e estilo de vida atual. Reduzir açucares e farinhas da dieta é uma excelente estratégia para a perda de peso que ocorre naturalmente sem a necessidade de passar fome. Nosso corpo não conta calorias, mas reconhece nutrientes e responde de forma diferente para cada um deles. Esse forma de alimentar-se permitiu que nossos ancestrais evoluíssem por milhões de anos sem conhecer a obesidade. Vamos pensar sobre isso?

Nutricionista Christine Melcarne
CRN 11100403 

linktr.ee/melcarne.nutricao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *